As 10 piores coisas para fazer com um filho adolescente

Quem sou
Carlos Laforet Coll
@carloslaforetcoll
Autor e referências

Vamos ver junto com a psicóloga Alessia Bajoni do Centro Médico Santagostino como se comportar com nossos filhos adolescentes

Não guarde o abacate assim: é perigoso

Eles não são mais crianças, mas nem mesmo adultos. Eles querem crescer, querem mais independência, mas ao mesmo tempo ainda não estão prontos para decolar. Estamos falando de adolescentes cuja agitação interna e externa muitas vezes envolve dificuldades também no relacionamento com seus pais.





Que, diante de tantas mudanças e da emergência de um mundo emocional-instintual mais complexo, encontram-se deslocados e, por vezes, lutam para interagir serenamente com elas. Por outro lado, a adolescência é assim, uma fase de transição delicada que muitas vezes envolve conflitos e discussões. Mas do ponto de vista dos pais, existem comportamentos que devem ser completamente evitados? Alessia Bajoni, chefe do serviço especializado de psicologia e psicoterapia para adolescentes de Santagostino, responde-nos, explicando 10 piores coisas para fazer com um filho adolescente.

1.Trate e veja seu filho ainda criança, não aceitando o salto da adolescência com suas características específicas.  

A adolescência é uma fase de transição entre 'não mais e ainda não', ou seja, entre o mundo da infância e o mundo dos adultos. É uma fase preparatória para se tornar 'adulto' em que as transformações dessa fase (corporal, pulsional, relacional, comunicativa) do adolescente são centrais para conhecer, construir e apropriar-se de sua própria identidade, distinta daquela dos pais. Passar por essa fase e essas mudanças pode ser muito cansativo e desorientador tanto para o jovem quanto para os pais que já não se encontram num padrão relacional e pulsional afetivo que os acompanhou até aquele momento (infância...), mas numa outra 'dimensão' em que prevalecem os impulsos para separar e encontrar outros pontos de referência que não os pais, dificuldade na gestão de um mundo interior emocional-instintivo mais complexo, relacionamentos com pares que parecem ser centrais, mas também críticos para se sentir "adequado e pertencente".

Nesta fase pode acontecer com os pais de luta para encontrar a 'distância' certa da criança, cambaleando para extremos: ou controlam como se ele ainda fosse criança ou desenvolvem uma espécie de distanciamento e crítica como se 'não o reconhecessem mais'. Pode acontecer que você desenvolva uma espécie de negação 'inconsciente' da idade da criança e das mudanças pelas quais ela está passando, principalmente quando começam de forma sutil e não evidente (voz, alterações relacionadas à puberdade, relacionamento com os pares), não ajudando-o a dar um salto, ainda o substituindo em decisões importantes (escola, esporte, tempo livre, amigos ...) pensando que ainda não é capaz de escolher ou se adaptar a uma aparente passividade decisória do jovem ou simplesmente com a intenção de protegê-lo de 'possíveis erros'. Outras vezes, estando ciente das mudanças que estão ocorrendo ou chegando, são os próprios pais agarrados a uma estrutura familiar e a um estilo relacional que os caracterizou até agora, lutando para processar o 'luto da infância'.



É fundamental que os próprios pais reconheçam que estão em dificuldade para enfrentar essa fase delicada mas também tão central na vida do filho, talvez pedindo ajuda de especialistas (psicoterapeutas com habilidades específicas com adolescentes e pais de adolescentes).

  1. Controlando seu filho adolescente, desenvolvendo medo e angústia sobre a distância que leva para se separar de seus pais

Na adolescência, a busca por novos estímulos, novos pontos de referência pode levar o jovem a mudar de lugar, de grupo, de conhecidos: nesses movimentos ele pode parecer confuso, uma espécie de 'bola maluca' em uma máquina de pinball, despertando medo e angústia nos pais. A entrada na adolescência traz consigo alguns fantasmas como o uso/abuso de álcool e substâncias, a possibilidade com a puberdade ocorrida de acessar uma sexualidade adulta, a presença de diferentes pensamentos e distrações a partir de pontos de referência como escola e família. Os pais diante da necessidade do jovem de encontrar outros interlocutores comunicativos (amigos, menino/menina...) começam a temer o pior, a tirar conclusões precipitadas a partir de pistas que observam ou captam da própria criança: parece-lhes que a única maneira de poder ter certas respostas e conhecer o 'novo filho adolescente' é começar a controlá-lo, chegando a 'violar' espaços privados como o celular, ouvir conversas, seguir ele enquanto ele sai com os amigos.

O caminho do controle, compreensível do ponto de vista dos pais, pode realmente levar a uma ruptura mais profunda, ou seja, uma ruptura relacional e comunicativa entre pais e filho com consequências ainda mais graves: o jovem se afasta e sente a falta de confiança por parte dos pais em uma fase delicada, confiança necessária para dar o salto para a vida adulta com uma importante 'rede' de apoio. É essencial neste momento repensar a 'confiança' como algo que não é dado ou dado como na infância, mas como algo que se constrói entre pais e filhos nesta fase com um diálogo mais adulto, no qual podemos falar de um mundo mais complexo e perigoso que o jovem está enfrentando (mundo em que há sexo, drogas, álcool, videojogos...), tentando compreender o significado que alguns comportamentos podem ter para ele e ao mesmo tempo transmitir com o diálogo limites e perigos que o progenitor adulto vê e conhece. Dessa forma, os medos dos pais não se tornam 'pesados ​​e controladores', mas aberturas ao diálogo e ao confronto entre duas gerações.



  1. Não fale em casa sobre fracassos e perdas, a começar pelos experimentados e vivenciados pelos próprios pais, por medo das consequências que possam ter sobre o filho adolescente

Os jovens adolescentes de hoje em 2021 são crianças nascidas em uma cultura e sociedade ocidental narcisista com 'fronteiras fluidas', como diria Zygmunt Baumann. É importante que os pais levem em consideração o contexto em que seus filhos se tornam adolescentes. A sociedade de hoje com o uso da internet, redes sociais, telefones celulares transmite uma mensagem clara: a importância da aparência externa, de como se está mais fora do que dentro, a centralidade de se mostrar 'bonito, bem-sucedido, com muitos contatos e gostos', mas sem muita atenção à qualidade e profundidade dessas relações. A necessidade de 'viajar rapidamente na web' sem a necessidade de viagens reais e envolvimentos relacionais torna os relacionamentos fluidos e a consciência de suas habilidades interpessoais vazia.

Nesse contexto, os jovens adolescentes crescem sem experimentar perdas e fracassos na vida real ou virtual: um contato é imediatamente substituído, o pensamento de perda desaparece ao passar o dedo no celular e tornar mágico o que um 'dedo na tela' pode fazer. . Estes são muitas vezes os meninos que realmente ficam presos na adolescência, se retraem, desenvolvem sintomas quando ocorre uma perda (o real de um membro da família, o término de um relacionamento...) e as emoções conectadas não podem mais ser negadas e evitadas. Muitas vezes quando encontro jovens assim durante o processo de consulta no Serviço de Adolescentes Santagostino, coordenado por mim, ajudo os próprios pais a pensar e se envolver na relação com seu filho adolescente a partir deles, contando suas perdas (presentes ou passadas ), seus fracassos, grandes ou pequenos, presentes e passados, de modo a tornar uma mensagem paradoxal 'familiar' ou de que 'faz parte da vida errar' e que, se você não falhar, não aprenderá a crescer .  Abertos como pais a um diálogo com seu filho levar em conta o que realmente foi, seus acertos e erros significa aceitar não ser 'perfeito e onipotente' como na infância, mas ser Pessoas na relação com o filho.

  1. Congelando-se diante das 'paredes' comunicativas dos adolescentes, sem tentar estabelecer um diálogo e uma compreensão de seu mundo

Algumas crianças nesta fase se entrincheiram em seu quarto, em seu silêncio, lutam para encontrar um canal de comunicação com seus pais por medo de serem julgadas, por medo de serem invadidas por 'pais' em seu espaço íntimo ou simplesmente porque fazem não sei, não exatamente o que eles estão sentindo ou sentindo. Em alguns casos, como no hikikomori, a retirada pode tornar-se a resposta 'patológica' ao mal-estar, como no caso dos adolescentes que deixam de ir à escola e fecham-se no quarto, limitando nitidamente os passeios e as relações sociais, muitas vezes com a mesma família que têm dificuldade em partilhar uma refeição e um diálogo. Eles se fecham enquanto o mundo real e emocional os bloqueia e aterroriza, provoca sentimentos tão profundos de inadequação que a única maneira de ter relacionamentos é através de uma tela ou de um videogame. Nestes casos, os pais permanecem verdadeiramente impotentes e fora do seu mundo: há um muro comunicativo que exclui a todos, sem a possibilidade de compreender o que o jovem pode realmente sentir ou o que pode pensar.

Os pais tendem a ficar presos, a desistir, a considerar o relacionamento com o filho como 'irrecuperável', pois falta a clássica comparação entre pais e filhos. É fundamental, principalmente nos casos de afastamento social explícito do adolescente, que tanto o jovem quanto os pais busquem ajuda e apoio de profissionais psicoterapeutas experientes na adolescência em um momento tão delicado e com risco de desenvolver quadros depressivos importantes. É o momento em que os pais não se deixam paralisar pelo silêncio, mas tente abordar delicadamente o mundo que o jovem está vivendo e vivenciando (o mundo dos videogames, o mundo virtual...), dando voz às emoções que ele sente e sente empaticamente (sensações de inferioridade, sentimentos de inadequação) , esperando pacientemente uma resposta do filho, que pode chegar tarde, não deixando prevalecer julgamentos precipitados ('ele é um preguiçoso! ele não quer fazer nada!' ...) que não levem em conta uma sofrimento mais profundo e silencioso do jovem.

  1. Não estabeleça limites que são discutidos e compartilhados com o jovem

Pais de adolescentes muitas vezes se deparam com o comportamento rebelde e transgressor de seus filhos, necessitando de espaços cada vez maiores de autonomia, no estabelecimento de regras restritivas e rígidas com o objetivo de trazer 'ordem e normalidade' de volta ao lar. Na adolescência é importante que existam limites em casa que regulem as saídas, os horários e os comportamentos. No entanto, essas regras e limites devem ser pensados ​​e discutidos com o jovem na fase da adolescência, a partir de sua pessoa, comportamento e hábitos: de fato, não faz muito sentido estabelecer regras restritivas à saída se, por exemplo, a criança está particularmente em dificuldade em ocupar espaço fora de casa ou limites importantes no uso de videogames e telefones celulares se para a criança se tornar a única ferramenta relacional que ela pode manter.

É essencial que os limites sejam claros, mas pensados ​​e discutidos com a criança de forma a compreender as necessidades importantes da criança naquele momento. (por exemplo, no caso de um primeiro relacionamento amoroso, talvez você possa repensar a importância das saídas...), calibradas em sua pessoa e que, portanto, não são vivenciadas como 'regras impostas' de fora, mas oportunidades para começar a assumir responsabilidades e compreender quaisquer riscos e consequências de determinados comportamentos (por exemplo: o jovem que tira a carta de condução e deve conhecer os riscos associados ao comportamento impulsivo de condução…). Deste modo, o limite externo pode tornar-se um importante limite interno, fundamental para fazer crescer e amadurecer a consciência e a consciência.

  1. Não perceber sinais de sofrimento, subestimar ou menosprezar palavras e gestos que o jovem pode usar para comunicar à família que não está bem

A adolescência é a fase da vida em que o corpo se torna protagonista, expressão de profundas transformações e de uma vida pulsional que amadurece justamente nesses anos. É, portanto, 'normal' e comum que um adolescente se sinta inicialmente desconfortável com um corpo que não é mais infantil, que precise se apropriar do próprio corpo também por meio de 'experimentos': mudando o olhar externo e o pertencimento que o corpo expressa ( cor do cabelo, cor da roupa...), modificando a dieta em busca do emagrecimento ou vice-versa um aumento da massa muscular, praticando esportes intensos para melhorar o desempenho e a fisicalidade. Há tantos exemplos possíveis. A adolescência é verdadeiramente o campo de treinamento definitivo para a identidade: é jogado, destruído e reconstruído pelo jovem para encontrar o seu. Nessa tendência flutuante e impulsiva, os pais podem subestimar os sinais que o filho adolescente começa a dar: os pais veem os sinais e os lêem como 'outro comportamento sem sentido e impulsivo' de um 'adolescente', na verdade.

Restrições alimentares excessivas, fugas de banheiro inexplicáveis, uso de moletons e suéteres que cobrem excessivamente as mãos e os braços, declarações fortes como 'minha vida é uma merda! Vou embora daqui', farras noturnas, encerramentos em casa e no seu quarto. Esses sinais não devem ser subestimados justamente pela fase da vida que a criança está passando. O cérebro de um adolescente ainda não atingiu a maturidade das áreas frontal e pré-frontal, que se desenvolvem plenamente apenas por volta dos trinta anos: essas áreas governam as habilidades de julgamento e controle de impulsos, saber esperar e ter paciência. A impulsividade e a rapidez na passagem do pensamento à ação são características específicas do funcionamento cerebral do adolescente e fazem de qualquer sintoma um possível sinal de alarme de um problema mais importante e mais grave, que pode piorar subitamente como nos quadros de um transtorno alimentar (anorexia , bulimia), atos suicidas, automutilação.

  1. Não procure a ajuda de profissionais de adolescentes experientes para serem apoiados como pais em um momento que pode ser muito difícil de gerenciar

Lidar com a adolescência de seu filho pode realmente sobrecarregar um casal de pais que se encontra, como já explicado nos pontos anteriores, tendo que processar o luto da infância (da criança-filho e da relação pais-bebê); buscar a distância certa da criança, no momento em que o jovem precisa separar de seus pais, sabendo que eles estão por perto; entrar no novo mundo de experiências, pensamentos e emoções que o adolescente está vivenciando; estabelecer novos limites, discutidos e pensados ​​com a criança. É fundamental que os pais se redescubram como pessoas com sua própria história e uma adolescência vivida, passada e superada para se reinventarem na relação com o filho adolescente: recordar e narrar a adolescência para uma criança é muitas vezes fonte de espanto e de oportunidade de re-conhecer uns aos outros em novos disfarces. As crianças olham para os pais e ficam surpresas por eles também serem jovens! Que eles tenham errado, falhado e se metido em apuros também! Percorrer este caminho pode ser muito difícil para alguns pais e pedir ajuda a psicoterapeutas profissionais, especialistas em adolescência (como o Serviço Especializado de Psicologia e Psicoterapia de Santagostino) é essencial para ser apoiado e acompanhado numa viagem importante tanto para eles como para o filho . Esconder-se atrás de uma negação de uma dificuldade ou de uma posição parental onipotente pode piorar a dinâmica relacional familiar e os problemas psicológicos do jovem.

  1. Criticar ou proibir o uso de videogames, tablets, telefones celulares, culpando essas 'ferramentas' pelo relacionamento do filho ou pelas dificuldades escolares

Os adolescentes de hoje são 'nativos digitais', nasceram vivendo a web, celulares, tablets como 'objetos familiares' e cresceram usando-os, acostumados a buscar informações na web, jogar um vídeo, fazer amizades online. O tempo que os jovens dedicam à utilização de PCs e telemóveis é verdadeiramente notável e certamente aumentou na sequência das restrições induzidas pela pandemia.

Os pais ficam assustados com o tempo prolongado que os adolescentes passam na frente de uma tela e as limitações que outras atividades têm (esportes, sair com os amigos...) sofrem com isso. Culpar o tempo que cada criança dedica às atividades virtuais na adolescência seria um erro que não permitiria aos adultos apreender as importantes dimensões psicológicas, cognitivas e relacionais, que o jovem utiliza na 'rede', tornando-a real ' ginásio 'de si mesmo e do seu potencial. É importante que os pais construam um diálogo com seus filhos adolescentes para tentar compreender o sentido e o significado de seus investimentos de tempo e pensamento, a fim de compreender quais partes de si mesmos eles colocam em jogo e ajudá-los a desenvolver até mesmo o pensamento crítico . em comparação com o que eles vêem e olham. Este diálogo permite-nos partilhar e pensar em conjunto os prazos a dedicar a este tipo de atividade.

  1. Viver a 'rebelião' adolescente como um ataque a si mesmo como pai e não como afirmação e busca da identidade do filho

Durante a adolescência, é comum que os filhos adolescentes precisem se 'rebelar' contra os pais, para nos distanciarmos deles, para 'testá-los' desafiando-os e confrontando-os com suas próprias limitações e defeitos. Os pais podem experimentar tais comportamentos rebeldes como um verdadeiro ataque a si mesmos, como um 'desrespeito' e um sinal de 'indiferença' em relação ao lar e às autoridades parentais. O jovem está na verdade empreendendo uma separação de seus pais, certamente em alguns momentos cansativos e conflituosos: mede-se distanciando-se deles, distinguindo os aspectos de caráter e comportamento de seus pais que deseja tornar seus ou dos quais quer fugir. Na verdade, está construindo sua própria identidade. Tornar-se rígido como pai ou pedir para voltar a um padrão "eu sou o pai e você deve obedecer" seria negar a fase única e crucial pela qual a criança está passando e, de fato, regredir a uma fase infantil anterior. .

10. Etente perguntar ao seu filho o significado e o significado de mundos que às vezes parecem distantes e incompreensíveis para os pais (cosplay, LGBQ, disforia de gênero ...)

O mundo dos adolescentes hoje está repleto de novos termos que identificam formas de se expressar, suas emoções, sua sexualidade e identidade que até alguns anos atrás não eram ou não eram 'nomeadas'. Alguns exemplos são cosplay (personagens que se fazem passar por personagens, assumindo sua aparência e roupas, de alguns desenhos animados, em particular mangás), disforia de gênero, não binária (todos os termos para identificar a percepção da própria identidade além do sexo e o mal-estar associado), LGBTQ (sigla para indicar todo o mundo homossexual, lésbico, transexual e queer, ou seja, pessoas que não se sentem representadas sob o rótulo de mulher/homem heterossexual).

Esses termos parecem às vezes incompreensíveis para os pais, a ponto de desenvolver uma espécie de recusa em falar abertamente sobre eles com a criança ou negação quando a criança consegue se abrir para questões tão íntimas e profundas. O conselho é realmente deixar seus filhos adolescentes levá-lo a esses mundos, na compreensão do que significa, como funcionam, como vivem em primeira pessoa pertencendo a um grupo ou vivendo um aspecto específico de si mesmos. A abertura e a confiança permitem que o jovem não se sinta 'estigmatizado' em casa, mas compreendido e apoiado como pessoa e permite que os pais 'se integrem' ao mundo atual do qual se sentiriam excluídos.

Adicione um comentário do As 10 piores coisas para fazer com um filho adolescente
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.