Coronavírus, não ao ibuprofeno se houver suspeita de infecção? A Agência Europeia de Medicamentos intervém

Quem sou
Carlos Laforet Coll
@carloslaforetcoll
Autor e referências

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) interveio na questão da relação entre o ibuprofeno e o agravamento dos sintomas da Covid-19

Não guarde o abacate assim: é perigoso

O ibuprofeno, a cortisona e os anti-inflamatórios pioram os sintomas da infecção por coronavírus? Para levantar um alarido sobre esta questão, incutindo dúvidas, foi primeiro o ministro da Saúde francês seguido por um porta-voz da OMS. Agora também chegou a opinião da EMA.





A questão da suposta ligação entre o ibuprofeno (e anti-inflamatórios em geral) e o agravamento dos sintomas em pacientes de Covid-19 explodiu nos últimos dias quando, em um tweet, o ministro da Saúde francês, Olivier Veran, escreveu:

“Tomar anti-inflamatórios (ibuprofeno, cortisona,…) pode ser um fator de agravamento da infecção. Se você tiver febre, tome paracetamol. Se já está a ser tratado com anti-inflamatórios ou está em dúvida, consulte o seu médico”.

 

⚠️ #COVIDー19 | Tomar anti-inflamatórios (ibuprofeno, cortisona, etc.) pode ser um fator de agravamento da infecção. Em caso de febre, tome paracetamol.
Se já estiver a tomar anti-inflamatórios ou se tiver dúvidas, consulte o seu médico.

- Olivier Véran (@olivierveran) 14 de março de 2020

Portanto, foi usado o condicional que, nesses casos, é obrigatório, dado o pouco que ainda sabemos sobre o coronavírus.

Nos dias seguintes, então, também um porta-voz da OMS havia declarado substancialmente a mesma coisa. Trata-se de Christian Lindmeier que, em entrevista coletiva em Genebra, argumentou que, embora atualmente não existam estudos ligando medicamentos anti-inflamatórios a complicações graves ou mortes por coronavírus, especialistas estão investigando a possível relação e, entretanto:

"Recomendamos paracetamol, não ibuprofeno paraautomedicação"

Portanto, a situação é diferente se você ouviu primeiro a opinião de um médico que poderia prescrever medicamentos anti-inflamatórios caso a caso.

Antes dessas intervenções também havia um artigo publicado na revista médica The Lancet que avançava a hipótese de que alguns medicamentos, incluindo o ibuprofeno, poderiam ter representado um risco para pacientes de Covid-19 que também sofrem de hipertensão e diabetes.

Agora, a Agência Europeia de Medicamentos (Ema) interveio na questão com uma declaração na qual especifica:



"A EMA tomou conhecimento de relatos, principalmente das mídias sociais, que levantam dúvidas de que tomar anti-inflamatórios não esteróides (AINEs), como o ibuprofeno, possa piorar a doença do coronavírus (COVID-19). Atualmente, não há evidências científicas que estabeleçam uma correlação entre o ibuprofeno e o agravamento do curso da doença COVID-19. A EMA está a acompanhar de perto a situação e vai avaliar todas as novas informações que estarão disponíveis sobre este problema no contexto da pandemia”.

Nas redes sociais, de fato, circulou nos últimos dias uma “farsa” sobre esse assunto. UMA mensagem atribuída ao Prof. Pascale do hospital Galeazzi em Milão que então passou a ser um falso. Nesta declaração foi dito precisamente para não tomar ibuprofeno e anti-inflamatórios em caso de infecção por Covid-19.

No entanto, a indicação permanece basicamente a mesma: como não há evidências científicas, no momento não é possível afirmar que esses medicamentos podem piorar os sintomas da nova doença mas, por outro lado, também é verdade que, antes de tomá-los, é sempre bom consultar o seu médico.

No entanto, a EMA em seu comunicado de imprensa também especifica outras coisas importantes, tanto para as pessoas que já tomam esses medicamentos quanto para os profissionais de saúde que devem avaliar se devem ou não prescrevê-los aos seus pacientes:

“No início do tratamento para febre ou dor no COVID-19, pacientes e profissionais de saúde devem considerar todas as opções de tratamento disponíveis, incluindo paracetamol e AINEs. Cada medicamento tem seus próprios benefícios e riscos que se refletem nas informações sobre seus produtos e que devem ser considerados juntamente com as diretrizes nacionais de tratamento da UE, muitas das quais recomendam o paracetamol como primeira opção de tratamento para febre ou dor " .



e depois continua:

“De acordo com as diretrizes de tratamento nacionais da UE, pacientes e profissionais de saúde podem continuar a usar AINEs (como ibuprofeno) de acordo com as informações do produto aprovadas. As recomendações atuais exigem que esses medicamentos sejam usados ​​na menor dose eficaz pelo menor período possível. Os doentes que tenham dúvidas devem contactar o seu médico ou farmacêutico. Atualmente, não há razão para os pacientes que tomam ibuprofeno interromperem o tratamento, com base no exposto acima. Isso é particularmente importante para pacientes que tomam ibuprofeno ou outros medicamentos AINEs para doenças crônicas."

No entanto, a EMA enfatiza a necessidade de realizar estudos epidemiológicos em tempo hábil para fornecer evidências adequadas sobre qualquer efeito dos AINEs no prognóstico da doença COVID-19. Aguardamos, portanto, notícias oficiais sobre o assunto.

Fontes: Ema 

Veja também:

  • Paracetamol, aspirina e ibuprofeno deixam de ser vendidos gratuitamente na França a partir de janeiro
  • Na Espanha, será necessária receita médica para paracetamol e ibuprofeno
  • Ibuprofeno, não use em caso de infecções estreptocócicas ou catapora. O alarme do Ansm
  • Como o paracetamol e o ibuprofeno, alteram as emoções e reduzem a empatia
  • A FDA alerta para os riscos de anti-inflamatórios e analgésicos, como o ibuprofeno
Adicione um comentário do Coronavírus, não ao ibuprofeno se houver suspeita de infecção? A Agência Europeia de Medicamentos intervém
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.