Bayer, apelação sobre pesticidas neonicotinóides rejeitada: Tribunal de Justiça Europeu salva abelhas

Quem sou
Elia Tabuenca García
@eliatabuencagarcia
Autor e referências

O juiz supremo da União Europeia confirmou a proibição parcial de três inseticidas ligados à morte de abelhas.

Ele está prestes a acabar atropelado, sua mãe o salva

O tribunal rejeitou a última tentativa da Bayer de derrubar a proibição de três pesticidas neonicotinóides e minar o "princípio de precaução" da UE





O juiz supremo da União Europeia confirmou a proibição parcial de três inseticidas ligados à morte de abelhas, impedindo seu uso em algumas culturas. O Tribunal de Justiça Europeu tem, de facto, negou provimento ao recurso do Bayer (BAYGn.DE) que pretendia derrubar a proibição estabelecida pela Comissão em 2013 e depois confirmada por outra decisão do Tribunal de 2018.

A decisão agora abrange três ingredientes ativos: imidacloprid desenvolvido pela Bayer CropScience, clothianidin sviluppato da Takeda Chemical Industries (4502.T) e Bayer CropScience, e tiametoxam na Syngenta. 

Leia também: Multinacionais de pesticidas envenenam terras e agricultores no sul do mundo com ingredientes ativos tóxicos proibidos em outros lugares

A Comissão limitou o uso de neonicotinóides em 2013 e, a partir de então, eles não poderiam ser usados ​​em milho, canola e outros tipos de cereais, embora ainda pudessem ser usados ​​em outras culturas, como beterraba sacarina.

A Comissão revisou então as aprovações devido à perda excessiva de colônias de abelhas devido ao uso indevido de pesticidas e o Tribunal confirmou agora a decisão do Tribunal da UE de 17 de maio de 2018, mais uma vez sublinhando a importância do princípio da precaução. 

Em resposta, a Bayer disse que não havia conhecimento científico novo suficiente para justificar as restrições, mas o Tribunal de Justiça concordou com o executivo comunitário e negou provimento ao recurso, condenando a empresa a arcar com todas as custas judiciais de ambas as partes.

Como relata a Reuters, a Bayer se declara decepcionado com a frase e continua apoiando a segurança de seus produtos, que ainda são utilizados em outras regiões com a aplicação de medidas adequadas de mitigação de riscos.


"O veredicto parece permitir que a Comissão quase carta branca revise as aprovações existentes com base em evidências mínimas, que nem precisam considerar novos dados científicos", conclui o porta-voz.


?BOA NOTÍCIA?@Bayer tentou derrubar a proibição da UE de três #pesticidas neonicotinóides matadores de abelhas – o tribunal da UE disse NÃO!

Mas é necessário mais para #SaveTheBees – os governos podem conceder isenções à proibição e outros pesticidas perigosos ainda estão em usohttps://t.co/upPwIsOjiR

— Greenpeace EU (@GreenpeaceEU) 6 de maio de 2021

“O Tribunal de Justiça reiterou que a proteção da natureza e da saúde das pessoas tem precedência sobre os estreitos interesses econômicos de poderosas multinacionais – diz Andrea Carta, estrategista jurídica do Greenpeace. A Bayer e a Syngenta, de propriedade da ChemChina, alertaram que a proibição de inseticidas significaria que os agricultores voltariam aos produtos químicos mais antigos e pulverizariam mais. Apesar da proibição entre 2013 e 2019, foram concedidas 206 autorizações de emergência para o uso dessas substâncias proibidas na UE. Para proteger as abelhas, a Comissão propôs metas para reduzir pela metade o uso de pesticidas químicos na UE, com uma meta de 20% até 2030”.

Leia todos os nossos artigos sobre a morte das abelhas.

Fontes: europa.eu / Greenpeace

Veja também:

  • Bayer e Basf derrotados na Justiça, maxi compensação está em andamento: decisão histórica sobre Dicamba
  • Dicamba: pior agrotóxico que o glifosato já exterminou 1,1 milhão de hectares em 2018
  • Dicamba: da Monsanto um novo herbicida ainda mais poderoso (e nocivo?) que o glifosato
  • Glifosato, surge a hipótese de fraude nos dados que permitiram a reaprovação na Europa
Adicione um comentário do Bayer, apelação sobre pesticidas neonicotinóides rejeitada: Tribunal de Justiça Europeu salva abelhas
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.