Como milhares de cartuchos de impressora vagam pelo oceano há 7 anos, terminando nas praias de metade da Europa

Quem sou
Carlos Laforet Coll
@carloslaforetcoll

Um contêiner de navio perdido no Atlântico Norte se transformou em um exército de cartuchos flutuando da Flórida para a Noruega

Um contêiner de navio perdido no mar no Atlântico Norte se transformou em um exército de cartuchos de impressora flutuando por toda parte, da costa da Flórida à Noruega, de acordo com um novo estudo. Parece também que os cartuchos se deterioraram para formar microplásticos contaminados com metais como ferro, titânio e cobre.





A descoberta de milhares de cartuchos de impressora encontrados no mar, do Oceano Atlântico ao Norte da Europa, foi acompanhada de provas fotográficas nas redes sociais que mais uma vez colocaram em destaque a questão urgente da proteção ambiental da ameaça dos microplásticos. Hipotetiza-se que o derrame no mar tenha ocorrido a 1.500 km a leste de Nova Iorque em janeiro de 2014, com os primeiros cartuchos encontrados nas praias dos Açores em setembro do mesmo ano. Desde então, mais de 1.500 peças foram desenterradas e divulgadas nas redes sociais – as maiores quantidades ao longo das costas do Reino Unido e da Irlanda, mas também muito mais a sul (Cabo Verde e as fronteiras do Círculo Polar Ártico).

O mapa mostra a dispersão dos cartuchos (Crédito: sciencedirect.com)

O estudo foi realizado pela Universidade de Plymouth e pelo Lost at Sea Project. Dados de avistamento e modelos oceanográficos foram combinados para relatar as localizações exatas dos achados do cartucho. O período das primeiras descobertas sugere que os cartuchos viajavam a uma velocidade que variava de 6 a 13 cm por segundo - demonstrando a rapidez com que os objetos podem se dispersar em mar aberto. Além disso, por meio de investigações microscópicas, observou-se uma deterioração progressiva da superfície externa dos cartuchos, que com o tempo tornou-se calcária e esfarelada. Isso resultou na formação de microplásticos ricos em titânio, o principal elemento da tinta para impressoras comuns. Em alguns casos foi destacada a presença de um chip eletrônico contendo cobre e ouro.

André Turner, professor da Universidade de Plymouth e autor do estudo, diz: “As perdas de carga não são comuns, mas as estimativas sugerem que pode haver milhares de contêineres perdidos no mar a cada ano. A curto prazo podem causar danos ao fundo do mar, mas a longo prazo podem ter impacto tanto no local do derrame como muito mais longe - como mostra o estudo. Esta pesquisa demonstra mais uma vez como os plásticos não projetados para serem dispersos no meio ambiente podem se autodestruir e se tornar uma fonte de microplásticos altamente nocivos ".



Fonte: Universidade de Plymouth / Science Direct

Também recomendamos:

  • Mascara o novo pesadelo para o meio ambiente: em apenas 1 ano, são os resíduos plásticos mais abandonados
  • Plogging, coletando lixo enquanto corre ou anda rápido é o melhor treino para você e o meio ambiente
  • O rio Drina está tão cheio de lixo que você nem consegue mais ver a água (mas ninguém fala sobre isso)
Adicione um comentário do Como milhares de cartuchos de impressora vagam pelo oceano há 7 anos, terminando nas praias de metade da Europa
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.