Quando comecei a me amar de verdade: o lindo poema (não) de Charlie Chaplin

Quem sou
Carlos Laforet Coll
@carloslaforetcoll
Autor e referências

Auto-estima, respeito, amor próprio. Para 2020 é isso que queremos desejar a vocês, queridos leitores e fazemos isso com um lindo poema intitulado 'Quando eu realmente comecei a me amar'.

Auto-estima, respeito, amor próprio. Para 2020 é isso que queremos desejar a vocês, queridos leitores e fazemos isso com um lindo poema intitulado 'Quando eu realmente comecei a me amar'.





Um poema motivacional capaz, por um lado, de nos fazer refletir sobre a nossa vida, por outro, de nos emocionar. É atribuído ao inesquecível Charlie Chaplin que o declamou em seu aniversário, mas na realidade o poema é de Kim e Alison Mcmillen, mas foi reformulado pelo comediante e entrou para a história como seu.

O resultado, porém, não muda porque a beleza dessas frases é indiscutível. Muitas vezes nos esquecemos de amar uns aos outros, nos debruçamos sobre sentimentos de culpa, recriminações, ódios, ressentimentos e nunca tentamos entender o que nosso coração quer.

É por isso que devemos começar a nos amar verdadeiramente, a nunca nos sentirmos deslocados, a aprender a cultivar nossa auto-estima, a entender que a dor e o sofrimento fazem parte da vida cotidiana.
Neste dia de orçamento, não seja muito duro consigo mesmo, olhe para o futuro com otimismo e reserve dois minutos para ler este belo poema.

Quando eu realmente comecei a me amar

Quando comecei a me amar de verdade, percebi que estava sempre e em todas as ocasiões no lugar certo na hora certa e que tudo o que acontece está bem. Desde então, posso ter certeza. Hoje eu sei que isso se chama... Auto estima.

Quando comecei a me amar verdadeiramente, percebi que o sofrimento emocional e a dor são apenas um aviso que me diz para não viver contra a minha verdade. Hoje eu sei que isso se chama... Autenticidade.

Quando comecei a me amar de verdade, parei de desejar outra vida e percebi que tudo ao meu redor é um convite para crescer. Hoje eu sei que isso se chama... Maturidade.



Quando comecei a me amar de verdade, percebi como é embaraçoso querer impor meus desejos a alguém, mesmo sabendo que os tempos não eram maduros e a pessoa não estava pronta,
mesmo que essa pessoa fosse eu. Hoje eu sei que isso se chama... Respeito.

Quando comecei a me amar de verdade, me livrei de tudo que não me fazia bem: comida, pessoas, coisas, situações e tudo o que me puxava para baixo e para longe de mim, no começo eu chamava isso de "egoísmo saudável", mas hoje Eu sei que isso é... Amor de si mesmo.

Quando comecei a me amar de verdade, parei de me privar do meu tempo livre
e conceber projetos grandiosos para o futuro. Hoje só faço o que me traz alegria e diversão, o que amo e o que me faz rir, do meu jeito e no meu ritmo. Hoje eu sei que isso se chama... Simplicidade.

Quando comecei a me amar de verdade, parei de querer ter sempre razão. E assim cometi menos erros. Hoje eu percebi que isso se chama... Humildade.

Quando comecei a me amar verdadeiramente, me recusei a viver no passado e me preocupar com meu futuro. Agora vivo mais no momento presente, onde tudo tem um lugar. É a minha condição de vida diária e eu chamo isso de... Plenitude.



Quando comecei a me amar verdadeiramente e me amar, percebi que meu Pensamento pode
me faz miserável e doente. Mas quando aprendi a fazê-lo dialogar com o coração,
o intelecto tornou-se meu melhor aliado. Hoje eu sei que isso se chama... Saber viver!

Veja também:

  • Você merece um amor: o belo poema (não) de Frida Khalo
Adicione um comentário do Quando comecei a me amar de verdade: o lindo poema (não) de Charlie Chaplin
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.