Câncer de mama: este tratamento biológico pode substituir a quimioterapia

Quem sou
Elia Tabuenca García
@eliatabuencagarcia
Autor e referências

Para alguns cânceres de mama, a quimioterapia pode ser substituída por um tratamento biológico muito menos invasivo.

Não guarde o abacate assim: é perigoso

A quimioterapia também pode ser evitada em cânceres de mama mais agressivos. De fato, um grupo de pesquisa espanhol especializado em oncologia revelou que, para alguns cânceres de mama, a terapia quimioterápica poderia ser substituída por um tratamento biológico muito menos invasivo.





O estudo, chamado Coralleen, acabou de ser apresentado no Congresso Mundial de Câncer de Mama em San Antonio, Texas, e publicado na revista The Lancet Oncology. As pacientes que poderiam se beneficiar desses avanços (30% das pacientes com câncer de mama) são aquelas que sofrem de tumor sensível a hormônios com alto risco de metástase.

Especificamente, no ensaio clínico Coralleen Fase 2, os pesquisadores mostraram que o tratamento com ribociclibe e letrozolo é altamente eficaz em pacientes com câncer de mama precoce sensível a hormônios com alto risco de desenvolver metástases até 10 anos depois.

"A principal conclusão do estudo é que esses pacientes com tumores hormônio-sensíveis que hoje, para evitar metástases, precisam se submeter a quimioterapia, podem ser tratados com drogas inibidoras da proteína CDK4/6 que, juntamente com o tratamento hormonal, podem atingir resultados semelhantes e eficiências ainda maiores do que a quimioterapia”, explica o Dr. Aleix Prat, chefe do serviço de oncologia médica do hospital Clínic de Barcelona.

o estudo

O estudo envolveu 106 pacientes de 21 hospitais na Espanha por 1 anos. Apenas pacientes com câncer agressivo e com alto risco de metástase participaram da pesquisa. Destes, 50% realizaram quimioterapia e os outros 50% foram tratados biologicamente.

Drogas que inibem CDK4/6, como ribociclibe em combinação com terapia hormonal (letrozol), têm demonstrado eficácia extraordinária no câncer de mama metastático. Nesse contexto, o uso da quimioterapia deixou de ser a principal opção. Em contraste, em pacientes com câncer de mama em estágio inicial com alto risco de recidiva, o papel desses biológicos ainda não está definido.


O estudo é o primeiro no mundo a usar dados genômicos em tempo real para selecionar com mais precisão pacientes com câncer de alto risco e o primeiro a integrar dados clínicos, patológicos e genômicos para medir a resposta ao tratamento e demonstrar que em cerca de metade dos pacientes , o tratamento com ribociclibe e letrozol administrado por 6 meses transforma tumores de alto risco de recidiva em neoplasias de baixo risco.


“Estamos convencidos de que essa estratégia terapêutica biológica pode substituir a quimioterapia nesse subgrupo de pacientes com alto risco de recaída. No entanto, precisamos de mais evidências. Para conseguir isso, projetamos um segundo estudo com um número muito maior de pacientes”, concluem os pesquisadores.

A ideia de que a quimioterapia pode ser evitada é tudo o que uma mulher pode esperar em um caminho já tortuoso contra uma doença às vezes devastadora. Esperamos que a pesquisa continue.

Veja também:

  • Câncer de mama: descoberta de enzima que pode impedir metástase
  • Câncer de mama: sintomas que todos deveriam saber
  • Câncer de mama: prevenção a ser feita em casa (e fora dela)
  • Câncer de mama: uma nova ferramenta pode diagnosticá-lo até 5 anos antes
  • Adeus mamografia: um simples exame de sangue será suficiente para diagnosticar o câncer de mama
Adicione um comentário do Câncer de mama: este tratamento biológico pode substituir a quimioterapia
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.