Bullying parental: como o bullying é transmitido às crianças

Quem sou
Carlos Laforet Coll
@carloslaforetcoll
Autor e referências

Pais e mães que praticam bullying: o ambiente familiar prepara o terreno para violência, abuso ou condições para se tornar vítima.

Não guarde o abacate assim: é perigoso

Bullying: O primeiro a falar sobre esse fenômeno foi Dan Olweus, professor de psicologia da Universidade de Bergen, na Noruega (ele também definiu as três características fundamentais: presença de uma ação de prevaricação, violência, ofensa, escárnio; intencionalidade do comportamento; exposição repetida ao longo do tempo).





Contra o bullying dos muito jovens, muito já começou a ser feito, mesmo nas escolas, com intervenções de informação, apoio ao desenvolvimento emocional, desenvolvimento da colaboração entre pares e assim por diante.

Há um tema, porém, pouco abordado, nem mesmo pela mídia: e é o papel dos pais. Sim, porque, é claro, os valentões não nascem, mas, na verdade, eles se tornam. Geralmente, “valorizando” o que se vive em casa: o clima e o estilo educacional fazem a diferença. Para ser franco: pais-valentões o pais-galinhas eles facilitam, respectivamente, a criação de crianças agressoras e vítimas de agressores.

Pais intimidadores? O atributo pode surpreendê-lo. Mas as condições estão potencialmente todas aí: uma lacuna de força e poder (adulto/criança); ações consideradas "educativas", mas que resultam em prevaricação, expressão de sua posição de força, submissão autoritária à sua vontade.

O bullying parental pode ser direto ou indireto. No primeiro caso podemos encontrar todos os comportamentos que têm ação direta sobre o físico das crianças: bater, isolar, negar comida, forçar à força, recorrer a castigos corporais.

E depois há o bullying emocional e indireto, visando criar submissão nas crianças, medo de um castigo que possa vir, escárnio por uma dificuldade, mas também críticas contínuas, negligência porque se é levado por mil outras coisas, falta de apreciação, estilo manipulador e todos os comportamentos passivos - agressivos ou impulsivo. Claro, se isso acontecer uma vez, não é um problema; torna-se se for repetido.

Exatamente do lado oposto, temos o superprotetor: i pais pensativos. O resultado de sua atitude educativa é comprovado: tornam seus filhos menos experientes no relacionamento com os outros, com menos autoestima e mais facilmente vítimas de bullying alheio.



Os pais fazem o melhor que podem, amam seus filhos: fora os casos especiais, não há dúvida quanto a isso. o bullying dos pais na verdade, quase sempre é apenas a réplica de um roteiro "educativo" e relacional (errado) aprendido na família, na infância: por isso é algo que parece normal aos pais. Às vezes, de acordo com o americano Brisbane Ronit Baras, especialista em dinâmica familiar, é funcional: "se uma mãe ou um pai naquele momento de sua vida faz o papel de "vítima", porque talvez no trabalho ele seja assediado, estressado, pressionado, agindo em comportamentos fortes ou em menosprezo seus filhos inconscientemente sim traz de volta a uma posição de poder".

Por essas várias razões, perceber o estilo parental "fraco" muitas vezes não é fácil. Questionar-se sobre o problema, prestar atenção é o primeiro passo necessário: informar-se, examinar suas ações tentando sair de seus hábitos. O próximo pode ser falar com um especialista. O objetivo é aprender a estabelecer regras e limites, mas de forma cooperativa, sem castigos ou ameaças, sem prevaricação; criando um ambiente comunicativo e relacional verdadeiramente “caloroso”, acolhedor, solidário.

Um estudo, que durou cinco anos, demonstrou claramente que apoiar as crianças para a autonomia, a partir dos 4-5 anos de idade, muda completamente a perspectiva e o risco tanto de começar a agir "comportamento de bullying", quanto de entrar no " visor " dos colegas agressores, para se tornar uma vítima.

A educação familiar também é importante para determinar como se reage a cenas de bullying: uma pesquisa destacou como as crianças são mais propensas a intervir, bloquear a ação ou defender aqueles que sofrem, se os pais transmitiram os valores de compartilhamento e participação ; pelo contrário, fingem que nada aconteceu, procuram em outro lugar se lhes ensinaram que é melhor ficar de fora, cuidar da própria vida.



Adicione um comentário do Bullying parental: como o bullying é transmitido às crianças
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.