A coruja-das-torres em risco de extinção. A petição para salvá-los

Quem sou
Carlos Laforet Coll
@carloslaforetcoll
Autor e referências

As corujas estão desaparecendo. Os ornitólogos dizem que 2013 será para sempre lembrado como o pior ano já registrado para uma das aves rurais mais difundidas da Inglaterra, das quais menos de 1.000 casais teriam nidificado. Em um ano típico, seriam 4.000.

Ele está prestes a acabar atropelado, sua mãe o salva





As corujas estão desaparecendo. Os ornitólogos dizem que 2013 será para sempre lembrado como o pior ano já registrado para uma das aves rurais mais difundidas da Inglaterra, das quais menos de 1.000 casais teriam nidificado. Em um ano típico, seriam 4.000.

Culpa? Os especialistas não têm dúvidas: é da últimos quatro anos de condições climáticas extremas, que levaram a um declínio de mais de três quartos da população desta espécie protegida. Os temores de uma população cada vez menor de corujas-das-torres vêm crescendo nos últimos anos. Os pássaros eram uma visão comum nas terras agrícolas na Grã-Bretanha há um século, mas os números caíram 70% desde o início dos anos 1980.

Ao longo deste verão, já ficou claro que a ave de rapina noturna estava a caminho de um verdadeira "catástrofe" e agora, após uma avaliação de final de ano, a verdadeira escala da situação foi revelada. É pior do que o esperado. Os invernos frios de 2009/2010 e 2010/2011 tiveram um efeito devastador. O mês chuvoso de junho de 2012 também matou muitos pássaros nos ninhos. Março deste ano foi o segundo mais frio já registrado e levou a um aumento na taxa de mortalidade mesmo entre os adultos.

“Foi um ano catastrófico. A coruja-das-torres agora precisa de toda a ajuda possível. Levará pelo menos dois anos para que a população comece a se recuperar – desde que não haja mais eventos climáticos extremos”, explica David Ramsden, chefe da Confiança da coruja de celeiro.

Para complicar a situação, existem também os ligação ferroviária de alta velocidade projetado entre Londres e Midlands, que ameaça seu habitat e segurança, e o uso generalizado de pesticidas. A associação explica que 91% das aves encontradas mortas tinha ingerido veneno de rato, que constituem o seu alimento natural. Basicamente, quando os roedores são envenenados, as corujas que os comem são envenenadas e morrem.



Embora ainda não totalmente quantificado, o envenenamento pode realmente ser a ameaça número um para a espécie. No entanto, ao contrário de todos os outros problemas, o uso excessivo de rodenticidas é fácil de lidar. É por isso que nasceu uma petição para pedir ao Ministério do Meio Ambiente do Reino Unido a introdução de um regulamentação adequada sobre venenos de roedores com urgência.



Para assinar a petição clique aqui

Roberta Ragni

Leia também:

Mudança climática: aquecimento global afeta migração de aves

Adicione um comentário do A coruja-das-torres em risco de extinção. A petição para salvá-los
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.